Solar

BNDES abre crédito para pessoa física ter energia solar

Monday, 06 de August de 2018

BNDES abre crédito para pessoa física ter energia solar

Você está cansado de pagar tarifas de conta de luz abusivas e quer consumir energia de forma sustentável? O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) abriu uma linha de crédito para Pessoa Física financiar sua própria estrutura para aquecimento e cogeração solar, a exemplo das placas fotovoltaicas e geradores a biogás.

Os interessados podem abrir uma linha de crédito de até 80% do valor dos itens através do “Fundo Clima”, com um teto máximo de R$ 30 milhões por beneficiário a cada ano.

O recurso poderá ser contratado em operações indiretas apenas por meio de bancos públicos. A linha de crédito tem uma carência de três a 24 meses e prazo máximo de 144 meses, com vigência para adesão até o dia 29 de dezembro.

A principal vantagem do programa, segundo o BNDES, é a redução nos gastos com a conta de luz e a conversão do excedente não utilizado em créditos.

Painel de energia solar

Vale lembrar que existe a garantia de que o abastecimento pode ser mantido mesmo em caso de interrupção do fornecimento de energia elétrica.

Os interessados poderão financiar um limite de até 80% do valor dos itens pelo Fundo Clima, podendo chegar a R$ 30 milhões a cada 12 meses por beneficiário.

O financiamento pode abranger a instalação de sistemas de aquecimento solar e cogeração, como placas fotovoltaicas e geradores a biogás. Segundo o banco, os recursos poderão ser contratados em operações indiretas, somente por bancos públicos.

Tanto para pessoas físicas quanto jurídicas (empresas, prefeituras, governos estaduais e produtores rurais), o custo financeiro do Fundo Clima é de 0,1% ao ano para renda anual de até R$ 90 milhões e a remuneração do BNDES é de 0,9% ao ano. Para renda anual acima de R$ 90 milhões, o custo é de 0,1% ao ano, e a remuneração do BNDES é de 1,4% ao ano.

A remuneração dos agentes financeiros é limitada até 3% ao ano. Uma vez aplicada a remuneração máxima definida pelos bancos públicos, as taxas finais passam a ser as seguintes: para renda anual até R$ 90 milhões, o custo final é de 4,03% ao ano; para renda anual acima de R$ 90 milhões, de 4,55% ao ano.

O programa permite carência de 3 a 24 meses, com prazo máximo de 144 meses. A vigência para adesão vai até 28 de dezembro de 2018.

A implantação de sistemas de geração de energia solar permite reduzir gastos com a conta de luz, já que passarão a comprar menos energia da concessionária e poderão, dependendo de sua região, fazer até uma conta corrente de energia vendendo o excedente para a distribuidora, segundo o BNDES. 



Marcadores: