Solar

Minas Gerais desenvolve projetos de energia renovável

Saturday, 21 de February de 2015

Minas Gerais desenvolve projetos de energia renovável

Montes Claros, no Norte de Minas, vai contar com uma nova fabricante de painéis para geração de energia solar. A empresa espanhola Asolar Energy pretende investir, até 2018, mais de 200 milhões de euros (valor superior a R$ 646 milhões) para construir a primeira indústria de painéis de Minas Gerais.

Orientar e atrair investidores em energias alternativas para o Estado é um dos propósitos do Governo de Minas Gerais, por meio de iniciativas da equipe técnica da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig).

O Atlas Solarimétrico de Minas Gerais é uma ferramenta que ilustra esse objetivo, uma vez que apresenta pesquisa detalhada do potencial energético e das áreas de maior incidência de raios solares. Um diferencial para planejamento e decisão estratégica de grupos, assim como a Asolar Energy, que pretendem investir no Estado.

Além disso, por meio do seu programa de Pesquisa e Desenvolvimento, a Cemig desenvolve uma série de projetos na área de energia renovável, com atenção especial à participação de universidades e centros de pesquisa. Existem iniciativas para a produção de energia elétrica a partir da utilização de resíduos, como biomassa residual de usinas de açúcar e álcool, gases residuais de carvoarias e até a comercialização de energia produzida a partir de gases retirados de aterros sanitários.

Como informa o superintendente de Tecnologia e Alternativas Energéticas da Cemig, Alexandre Francisco Maia Bueno, os projetos na área de energias alternativas, limpas e sustentáveis fazem parte do direcionamento estratégico da Cemig e integram o portfólio de projetos da empresa desde os anos 1990. A primeira usina eólica conectada à rede elétrica na América Latina, no Morro do Camelinho, próximo a Diamantina, por exemplo, foi inaugurada em 1994.

Além disso, “a sustentabilidade está na visão da Empresa que, para manter suas metas de crescimento e de se manter como líder mundial em sustentabilidade, investe permanentemente no desenvolvimento de fontes renováveis, como hidráulica, eólica e solar”, enfatiza o superintendente.

Energia sustentável

A Cemig tem um convênio celebrado com a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), a Universidade Federal de Lavras (UFLA), o Centro Universitário de Patos de Minas (Unipam) e a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) para implantação do projeto Geração Distribuída em Universidades.

“Nesta cooperação, a meta é criar um sistema de microgeração solar fotovoltaica de aproximadamente 12 kWp (quilowatts-pico) para desenvolvimento e disseminação de tecnologias inovadoras. A Cemig participa do projeto como responsável pelo fornecimento de treinamento e suporte técnico para sua operação e manutenção e pela doação de 250 unidades de módulos fotovoltaicos de silício policristalino para cada instituição”, explica Bueno.

A Usina Solar Fotovoltaica (USF) do estádio Mineirão, por sua vez, entrou em operação em 2013, interligada ao sistema elétrico para geração de energia. A usina tem uma potência instalada de 1,42 MWp (meagawatts-pico) e conta com cerca de 6.000 painéis solares (módulos fotovoltaicos). Trata-se, atualmente, da maior usina solar em cobertura de arena esportiva no mundo e foi reconhecida com o nível Platinum da Certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design).

A Empresa também investe em pesquisas de veículos elétricos e híbridos, numa perspectiva de futuro para os sistemas de energia inteligente, para melhorar a eficiência energética no processo de uso da energia e dos recursos naturais. Já no campo da energia eólica, a Cemig possui três parques eólicos no Ceará e participação acionária na empresa Renova Energia, que detém mais de 600 MW (megawatts) em parques eólicos no nordeste.

Energias de Minas

Outra estratégia para inserir o Estado como referência na produção de energia limpa é o Programa Mineiro de Energias Renováveis – Energias de Minas. Executado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) o programa cria incentivos para estimular a implantação de novos empreendimentos nesse segmento e, desse modo, ampliar a participação e entrada de energias renováveis na matriz energética mineira.

De acordo com o superintendente de Política Energética da Sede, Guilherme Duarte, a principal ação do Energias de Minas, desde a sua criação em agosto de 2013, foi a regulamentação de todos os benefícios fiscais e sua aplicação. Isto porque os empreendimentos de energia solar, eólica, biomassas, biogás e hídrica, além das pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) e centrais geradoras hidrelétricas (CGHs), recebem condições diferenciadas, como a desoneração do ICMS, benefícios fiscais e linhas de financiamento de longo prazo do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

“Como resultado, tivemos 22 empreendimentos que celebraram protocolos de intenção com o Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), sendo uma usina fotovoltaica, uma usina de resíduos e as demais PCHs e CGHs”, revela Duarte. “No total, os investimentos foram da ordem de R$ 1,4 bilhão. Além disso, devemos ter, ainda no primeiro semestre, protocolos assinados de mais três empreendimentos de energia fotovoltaica”, completa.

Entre as ações planejadas para 2015, segundo Duarte, está a atração de novas usinas de energia solar. “Queremos criar alguns benefícios adicionais e complementar alguns projetos específicos. Ainda não conseguimos atingir o resultado esperado, por exemplo, quanto à atração de usinas de energia solar. Uma das ideias é promover um leilão estadual de energia fotovoltaica”, conclui.

Agência Minas



Marcadores: