Bioeletricidade

Térmicas 'flex' darão maior segurança ao sistema elétrico

Sunday, 14 de February de 2010

Térmicas 'flex' darão maior segurança ao sistema elétrico

As termelétricas "flex", que operam tanto com gás natural e etanol, são importantes instrumentos para redução de emissões de poluentes, avalia Zilmar de Souza, assessor de bioeletricidade da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). Ele participou de uma visita à termelétrica da Petrobras, em Juiz de Fora (MG), a primeira do mundo a operar com etanol e gás natural na geração de energia elétrica.
"O setor elétrico brasileiro tem dificuldades em atender a crescente demanda de ponta do sistema. Temos assistido térmicas que operam com combustíveis altamente poluentes em termos de emissões. A possibilidade de térmicas 'flex', além de ajudar na segurança energética, contribui para reduzir os níveis de emissões no setor elétrico", explica Zilmar.
A termelétrica tem duas turbinas aeroderivadas GE LM 6000, fabricadas pela General Electric (GE), com capacidade instalada de 43,5 MW cada, totalizando 87 MW. Somente uma dessas turbinas foi convertida para operar com etanol por meio da troca da câmara de combustão, de bicos injetores e da instalação de equipamentos periféricos para o recebimento, armazenamento e a movimentação do etanol. O combustível utilizado na queima é o etanol hidratado.
Segundo a Petrobras, os primeiros testes indicam que o nível de emissões na queima do etanol ficou abaixo do registrado pelo gás natural. Além da possibilidade de atender o mercado interno, garantindo o suprimento de energia elétrica com mais um tipo de combustível, a estatal está atenta aos negócios externos, principalmente com as empresas japonesas que acompanham esse período de testes.
 



Marcadores: etanol, bioetanol, cana de acucar, cana, cana de açucar, cana-de-açúcar, renováveis, efeito estufa, GEE, gás natural