Biocombustíveis

Petrobras parte para a aquisição de empresas

Wednesday, 23 de June de 2010

Petrobras parte para a aquisição de empresas

A participação da Petrobras no mercado brasileiro de etanol se dará agora por meio de aquisição de empresas do setor e não mais pela construção de usinas de processamento do combustível, como estava previsto no plano de negócios 2009-2013, anunciou o presidente da empresa, José Sergio Gabrielli, ao divulgar o plano de negócios da estatal para 2010-2014.
A estratégia no segmento de etanol foi redirecionada para a aquisição de participações com o objetivo de se tornar um importante agente no mercado, de forma a assegurar o domínio tecnológico para a produção sustentável de biocombustíveis. "Tínhamos estratégia diferente via construção de novas usinas, mas mudamos. Depois de trabalharmos com a possibilidade de atuar com as greenfields [novas usinas], hoje já trabalhamos para crescer a produção principalmente via aquisições", disse Gabrielli.
Como parte da estratégia, a Petrobras também procura não ser majoritária nos empreendimentos de que venha a fazer parte. Essa estratégia já deixou a Petrobras e os parceiros com uma capacidade de processamento de 24 milhões de toneladas de cana. Mas, a previsão da estatal é que a produção chegue aos 890 milhões de litros de etanol ainda na safra 2010-2011.
Pelo plano de negócios divulgado, a Petrobras espera chegar até 2014 produzindo 2,6 bilhões de litros, o que deixaria a estatal como um dos quatro maiores produtores de etanol do país, respondendo por cerca de 5% da produção nacional.
Dos US$ 224 bilhões previstos para serem investidos nos próximos cinco anos, a estatal vaI destinar US$ 3,5 bilhões ao segmento de biocombustíveis, atuando na produção, na logística e na comercialização dos produtos. Um aumento de mais de US$ 1 bilhão em relação ao plano anterior.

Maior presença no mercado de etanol

Com o objetivo de expandir a produção de etanol da companhia no Centro-Oeste, a Petrobras anunciou a criação de uma parceria com o Grupo São Martinho. O acordo foi firmado pela subsidiária Petrobras Biocombustível e prevê a constituição de uma nova sociedade, denominada Nova Fronteira Bioenergia S.A. A Nova Fronteira vai controlar a Usina Boa Vista, atualmente em produção, e o projeto greenfield (novas usinas) denominado SMBJ Agroindustrial S.A., em Goiás.
Pelo acordo, a Petrobras Biocombustível vai fazer um aporte financeiro de R$ 420,8 milhões, passando a deter 49% das ações da nova sociedade. Segundo nota da estatal, o desembolso se dará em duas etapas: a primeira, de R$ 257,6 milhões, após a conclusão do processo de avaliação, que ocorrerá em até 90 dias, e o restante em até 12 meses.
Segundo Fábio Venturelli, do Grupo São Martinho, o acordo possibilitará que a Nova Fronteira Bioenergia nasça com uma forte estrutura de capital e grande capacidade de investimento, abrindo espaço para acelerar seu plano de expansão na região. "O projeto inicial da Usina Boa Vista foi concebido para alcançar mais de 7 milhões de toneladas de capacidade de moagem de cana. Com a entrada da Petrobras, conseguiremos atingir essa meta em até quatro anos", disse.
Para o presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto, a parceria representa mais uma aliança estratégica na consolidação da companhia como importante produtora de etanol. "A parceria com a São Martinho é mais uma aliança para o desenvolvimento da produção em Goiás, apresentando importantes sinergias com outros ativos do Sistema Petrobras", afirmou.

Agência Brasil



Marcadores: cana-de-açúcar, cana, etanol, biocombustíveis, greenfield