Biocombustíveis

Setor sucroenergético brasileiro é estratégico para Canadá

Wednesday, 03 de March de 2010

Setor sucroenergético brasileiro é estratégico para Canadá

A atenção que o setor sucroenergético brasileiro vem atraindo mundialmente chegou também ao governo do Canadá, que enviou ao Brasil um grupo de técnicos e executivos de diversas áreas da administração pública federal para conhecer melhor a atuação do setor e entender suas estratégias.
O grupo, parte do Programa Avançado de Liderança do governo canadense (Advanced Leadership Programme - ALP) foi recebido na sede da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) em fevereiro.
"Como funcionários do governo, este seleto grupo foi enviado para observar exemplos de liderança em diversas áreas. Há muito o que aprender com as melhores práticas do setor sucroenergético brasileiro," enfatizou Paul Brunet, cônsul político do Canadá em São Paulo, em carta de apresentação do grupo enviada à Unica.
Formado por 13 pessoas, o grupo foi acompanhado pela cônsul geral do Canadá em São Paulo, Abina Dann, Dois representantes da Unica conduziram uma apresentação detalhada, seguida de perguntas e respostas.
O investimento de empresas internacionais no setor sucroenergético brasileiro foi um dos assuntos levantados pelos visitantes durante a reunião.
A recente união entre a Cosan e a multinacional petrolífera, Shell, mostrou que o mundo está mudando. Empresas das mais diversas áreas mostram interesse pela indústria da cana-de-açúcar e estão convencidas de sua sustentabilidade.
O reconhecimento do etanol de cana-de-açúcar como um biocombustível avançado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (Environmental Protection Agency, EPA), no último dia 3 também foi discutido durante o encontro.

"O relatório do EPA abre portas para o etanol de cana, não só nos Estados Unidos, mas também em outras partes do mundo, já que muitos aguardavam com interesse a decisão do órgão americano, um dos mais respeitados do mundo para questões ambientais," explicou Altieri.

Unica



Marcadores: cana, etanol, biocombustível, avançado, cana-de-açúcar, sucroenergético, Canadá