Biocombustíveis

ETH e Amyris fecham acordo para produzir farneseno renovável

Saturday, 05 de November de 2011

ETH e Amyris fecham acordo para produzir farneseno renovável

A ETH Bioenergia, que elevará a capacidade de moagem de cana para 37 milhões de toneladas na safra 2012/13, dá mais um passo em direção à criação do conceito de biorrefinaria, que visa a retirada do maior valor agregado possível de um quilo de cana.

A empresa de etanol do grupo Odebrecht assinou com a empresa californiana Amyris Inc. memorando para a formação de uma joint venture para a produção de farneseno renovável, derivado da cana que pode ser matéria-prima para óleo diesel. O produto químico renovável tem também aplicações nas indústrias cosmética, farmacêutica e de fertilizantes.

Pelo acordo, a joint venture formada pelas empresas terá acesso a um volume de moagem de 2 milhões de toneladas de cana por ano em uma das unidades ´greenfield´ que a ETH está construindo no Brasil.

"Essa produção trará mais valor agregado, principalmente porque esse é um produto com interesse tanto do mercado interno como do externo", diz o presidente da ETH Bioenergia, José Carlos Grubisich.

O objetivo da iniciativa é a produção, a partir do caldo da cana-de-açúcar, do Biofene, nome dado pela Amyris para o farneseno renovável. A joint venture será controlada pela ETH e a Amyris e terá direitos exclusivos sobre a comercialização do farneseno a ser produzido dentro de uma das usinas da ETH.

"Por meio desta joint venture com a ETH, e com outros acordos já fechados no Brasil, a Amyris tem agora acesso a 15 milhões de toneladas de moagem de cana para alimentar nossa produção", afirmou no comunicado John Melo, presidente-executivo da Amyris. A empresa norte-americana já fechou acordos similares com outras grandes empresas no Brasil, incluindo Bunge, Cosan e Tereos.

As duas empresas passam agora para a análise dos custos e do projeto. Os investimentos, ainda não definidos, deverão ficar entre R$ 100 milhões e R$ 200 milhões. As duas empresas esperam que o novo produto já esteja no mercado em 2014. O objetivo é ter escala para que o produto permita, inclusive, a produção de biodiesel vindo da fermentação da cana.

A ETH destinará até 2 milhões de toneladas de cana para a produção do biofarneseno. Na próxima safra, a empresa terá 26 milhões de toneladas de cana à disposição para moagem.



Marcadores: cana-de-açúcar, cana, etanol, biomassa, biocombustíveis, farneseno renovável, bioplásticos, plástico verde, renováveis