Biocombustíveis

Labex EUA acelera pesquisas sobre etanol de segunda geração:

Sunday, 21 de February de 2010

Labex EUA acelera pesquisas sobre etanol de segunda geração:

 

Créditos: Embrapa

A equipe do Labex Estados Unidos - Laboratório Virtual da Embrapa no Exterior - está empenhada em pesquisas com materiais que geram o etanol de segunda geração (ou etanol lignocelulósico), obtido a partir da utilização de toda a planta e não apenas da fermentação de parte dela (etanol de primeira geração), como ocorre com a cana-de-açúcar no Brasil. Resultados preliminares têm animado o pesquisador Cesar Miranda, responsável pelas investigações sobre agroenergia no naquele Labex.
Um dos resultados apontados por Miranda nas pesquisas com os contra partes do Serviço de Pesquisa (ARS) do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indica a possibilidade de se obter até 11 mil litros de etanol, por hectare, a partir da biomassa de capim-elefante e outras gramíneas forrageiras.
"Estes materiais – comenta César Miranda ao se referir a capins tais como capim-elefante, braquiárias, panicuns e árvores de crescimento rápido - poderiam ser alternativas competitivas e eficientes para locais onde não se pode cultivar cana-de-açúcar, tanto em áreas de cultura, de pastagens ou áreas marginais, seja de forma isolada ou consorciada, em sistema de integração lavoura-pecuária ou agrosilvipastoril."

Cooperação

De acordo com Cesar Miranda da cooperação técnica entre Labex Estados Unidos e ARS, visando facilitar a integração de cientistas brasileiros e americanos nesse campo, com intercâmbio de pesquisadores e a realização de treinamentos, pelo menos dois projetos estão em desenvolvimento por Unidades da Embrapa. Um deles trata da produção de biocombustíveis a partir de ilhas flutuantes de biomassa em planícies de inundação do Brasil: estudo de caso no Pantanal.
O objetivo seria o uso do excedente ambiental de biomassa aquática daquela região na geração de energia – seja por meio da produção de etanol, biogás ou gás de síntese. Esse projeto envolve pesquisadores da Embrapa Agroenergia, Embrapa Pantanal, Departamentos de Física e de Tecnologia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Bioware Tecnologias, com a participação do Grain, Forrage and Bioenergy Research Unit (GFBRU), em Lincoln, Nebraska.
O outro projeto se refere a fontes alternativas de biomassa para produção sustentável de etanol a partir de materiais lignocelulósicos. A idéia é aproveitar a experiência americana para o desenvolvimento de tecnologia para avaliação direta do potencial de produção de resíduos de cana-de-açúcar, sorgo, milho e várias gramíneas forrageiras para o etanol de segunda geração, inclusive para uso em seleção de variedades específicas para bioenergia. O estudo envolve vários centros de pesquisa da Embrapa, além de universidades e equipes do DFBRU e do Fermentation Biotechnology Research Unit.

Embrapa



Marcadores: etanol celulósico, cana-de-açúcar, cana, cana de açucar, etanol, biomassa, capim elefante