Artigos

Biomassa: uma dupla solução

Saturday, 15 de February de 2014

Biomassa: uma dupla solução Em 2010, o Brasil produziu 61 milhões de toneladas de resíduos, 6,9% a mais do que em 2009. Deste montante, apenas 57,6%, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), possuem destinação adequada, seja para aterros sanitários ou reciclagem. Isso que dizer que temos 42,4% de resíduos com destinação inadequada, produzindo lixões que impactam o solo e a atmosfera com emissões de gás metano (gás de efeito estufa).

Diante deste cenário, se faz imperativo questionar: O que fazer com estes resíduos? Como solucionar este mal? Outro problema a ser enfrentado, e de mesma causa – produção de bens de consumo e crescimento populacional- é a forma de suprir a demanda energética de um contingente de sete bilhões de habitantes.

A biomassa é qualquer material constituído por substâncias de origem orgânica – vegetal, animal e microrganismos, tais como madeira, produtos e resíduos agrícolas, resíduos florestais, resíduos pecuários, excrementos de animais, esgoto e resíduos sólidos podem ser utilizados na forma bruta como combustível e fonte de energia.

Estima-se que a quantidade de biomassa existente na terra é da ordem de dois trilhões de toneladas ou 400 t por pessoa. Em termos energéticos, isso corresponde a mais ou menos 3.000 EJ por ano, ou seja, oito vezes o consumo mundial de energia primária (da ordem de 400 EJ por ano). Embora grande parte da biomassa seja de difícil contabilização, devido ao uso não comercial, estima-se que, atualmente, ela representa cerca de 14% de todo o consumo mundial de energia primária. Esse índice é superior ao do carvão mineral e similar ao do gás natural e ao da eletricidade.

Apesar de ser uma fonte de energia renovável em farta quantidade e a baixo custo, deve-se tomar cuidado com seu impacto ambiental, com a emissão de gases de efeito estufa, com exceção dos vegetais que emitem a mesma quantidade de CO2 sequestrada durante seu ciclo de vida.

Além disso, dependendo do processo utilizado na obtenção de energia (Combustão ou queima direta, Gaseificação, Pirólise, Liquefação, Fermentação e Digestão Anaeróbia), são lançados na atmosfera gases tóxicos, como as dioxinas, substâncias cancerígenas que podem ser evitados com a instalação de filtros e chaminés controlando esta emissão em níveis aceitáveis.

Diante deste grande potencial energético, o Brasil pretende instalar a sua primeira usina termelétrica movida a partir da queima de resíduos sólidos. A tecnologia já é empregada em 35 países e chega tardiamente ao nosso país.

A inédita unidade deve ser instalada em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, e orçada em cerca R$ 600 milhões. Terá a capacidade de processar até mil toneladas de resíduos para gerar constantes 30 MW – suficientes para abastecer uma cidade com 200 mil habitantes ou 25% da população desta cidade.

Apesar do plano energético brasileiro 2030 prever um decréscimo desta fonte, de 5,7% da matriz brasileira para 5%, acredito que este será o primeiro investimento de muitos que virão, principalmente após a edição da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12305/2010), que estimula o gerenciamento destes resíduos e proíbe o funcionamento de lixões nas zonas urbanas a partir de 2014, obrigando as cidades a criarem aterros sanitários.

Já há movimentos no Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Todas as cidades com mais de 1 milhão de habitantes têm potencial para instalar uma usina termelétrica movida à queima de resíduos sólidos.

Celso Marcelo de Oliveira é Presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Biomassa

Marcadores: biomassa, resíduos sólidos, GG